NextRiot

Por quê X não é um Hook?

January 26, 2019 • ☕️☕️ 8 min read

Translated by readers into: DeutschEspañolFrançaisItalianoPortuguês do Brasil简体中文

Read the originalImprove this translationView all translated posts

Desde que a primeira versão alfa dos Hooks foi liberada, uma dúvida sempre volta a aparecer em discussões: “Por quê <tal API> não é um Hook?”

Para relembrarmos, aqui estão algumas coisas que os Hooks são:

  • useState() permite declarar uma variável de estado (state).
  • useEffect() permite declarar um efeito secundário.
  • useContext() permite acessar informações de um contexto (context).

Mas existem outras APIs, como React.memo() e <Context.Provider>, que não são Hooks. Versões comumente propostas dessas APIs com Hooks seriam não composicionais e antimodulares. Esse artigo o irá ajudar a entender o porquê.

Nota: Esse artigo não é uma imersão para aqueles que estão interessados em analisar APIs. Você não precisa pensar em nada disso para ser produtivo com o React!


Há duas importantes propriedades que queremos preservas nas APIs do React:

  1. Composição: Os Hooks customizados são a razão principal por estarmos entusiasmados com a API dos Hooks. Esperamos que as pessoas criem seus prórpios Hooks frequentemente, e precisamos ter certeza que os Hooks escritos por pessoas diferentes não entrem em conflito. (Não estamos todos mimados na forma em que os componentes conseguem se compor de forma limpa e sem quebrar um ao outro?)

  2. Depuração: Quremos que os erros sejam fáceis de se encontrar a medida que a aplicação cresce. Uma das melhores funcionalidades do React é que se vemos algo renderizado da maneira incorreta, podemos percorrer a árvore acima até encontrar qual prop ou estado de componente que causou o erro.

Essas duas restrições juntas podem nos dizer o que pode ou não pode ser um Hook. Vamos ver alguns exemplos.


Um Hook Real: useState()

Composição

Múltiplos Hooks customizados utilizando useState() não entram em conflito:

function useMyCustomHook1() {
  const [value, setValue] = useState(0);
  // O que acontece aqui, fica aqui.
}

function useMyCustomHook2() {
  const [value, setValue] = useState(0);
  // O que acontece aqui, fica aqui.
}

function MyComponent() {
  useMyCustomHook1();
  useMyCustomHook2();
  // ...
}

Adicionar uma nova chamada a useState() é sempre seguro. Não precisamos saber nada sobre os outros Hooks usados por um componente para declarar uma nova variável de estado (state). Também não podemos quebrar outras variáveis de estado (state) ao atualizar uma delas.

Veredito:useState() não deixa os Hooks customizados frágeis.

Depuração

Os Hooks são úteis porque podemos passar valores entre eles:

function useWindowWidth() {
  const [width, setWidth] = useState(window.innerWidth);
  // ...
  return width;}

function useTheme(isMobile) {
  // ...
}

function Comment() {
  const width = useWindowWidth();  const isMobile = width < MOBILE_VIEWPORT;
  const theme = useTheme(isMobile);  return (
    <section className={theme.comment}>
      {/* ... */}
    </section>
  );
}

Mas e se cometermos um erro? Como funciona a depuração?

Vamos dizer que a classe CSS que obtemos de theme.comment está errada. Como depuramos isso? Podemos colocar um breakpoint ou alguns logs no corpo de nosso componente.

Talvez iríamos notar que theme está errada, mas width e isMobile estão corretas. Isso nos indicaria que o problema está dentro de useTheme(). Ou talvez iríamos ver que width está errada. Isso nos indicaria para verificar dentro de useWindowWidth().

Uma única verificação aos valores intermediários nos diria qual o Hook no nível superior que contém o erro. Não precisaríamos de olhar todas as suas implementações.

Então podemos “verificar mais de perto” aquele que contém um erro e repetir.

Isso se torna mais importante se a profundidade de aninhamento de Hooks customizados aumentar. Imagine que temos 3 níveis de aninhamento, cada nível usando 3 Hooks customizados diferentes dentro. A diferença entre procurar por um erro em 3 lugares contra potencialmente procurar 3 + 3×3 + 3×3×3 = 39 lugares é enorme. Por sorte, useState() não pode magicamente “influenciar” outros Hooks ou componentes. Um valor errado retornado por ele deixa um rastro, assim como qualquer outra variável. 🐛

Veredito:useState() não obscurece a relação causa-efeito em nosso código. Podemos seguir o rastro diretamente até o erro.


Não é um Hook: useBailout()

Como uma otimização, componentes que utilizam Hooks podem “se livrar” (do inglês bail out) de voltar a serem renderizados.

Uma forma de fazer isso é encapsular todo o componente com um React.memo(). Ele deixa de voltar a renderizar se as props são superficialmente iguais ao que tínhamos durante a última renderização. Isso o faz similar a um PureComponent em classes.

React.memo() recebe um componente e retorna um componente:

function Button(props) {
  // ...
}
export default React.memo(Button);

Mas por quê isso não é simplesmente um Hook?

Não importa se você o chamarmos de useShouldComponentUpdate(), usePure(), useSkipRender() ou useBailout(), a implementação deve se parecer com algo assim:

function Button({ color }) {
  // ⚠️ Não é uma API real
  useBailout(prevColor => prevColor !== color, color);

  return (
    <button className={'button-' + color}>  
      OK
    </button>
  )
}

Há algumas variações (por exemplo um simples marcador usePure()) mas no final eles possuem as mesmas falhas.

Composição

Digamos que tentamos colocar useBailout() em dois Hooks customizados:

function useFriendStatus(friendID) {
  const [isOnline, setIsOnline] = useState(null);

  // ⚠️ Não é uma API real  useBailout(prevIsOnline => prevIsOnline !== isOnline, isOnline);
  useEffect(() => {
    const handleStatusChange = status => setIsOnline(status.isOnline);
    ChatAPI.subscribe(friendID, handleStatusChange);
    return () => ChatAPI.unsubscribe(friendID, handleStatusChange);
  });

  return isOnline;
}

function useWindowWidth() {
  const [width, setWidth] = useState(window.innerWidth);
  
  // ⚠️ Não é uma API real  useBailout(prevWidth => prevWidth !== width, width);
  useEffect(() => {
    const handleResize = () => setWidth(window.innerWidth);
    window.addEventListener('resize', handleResize);
    return () => window.removeEventListener('resize', handleResize);
  });

  return width;
}

O que acontece agora se você usar ambos no mesmo componente?

function ChatThread({ friendID, isTyping }) {
  const width = useWindowWidth();  const isOnline = useFriendStatus(friendID);  return (
    <ChatLayout width={width}>
      <FriendStatus isOnline={isOnline} />
      {isTyping && 'Typing...'}
    </ChatLayout>
  );
}

Quando ele irá voltar a renderizar?

Se cada chamada a useBailout() tem o poder de pular uma atualização, então as atualizações de useWindowWidth() seriam bloqueadas por useFriendStatus(), e vice-versa. Esses Hooks iriam quebrar um ao outro.

Porém, se useBailout() fosse respeitado apenas quando todas as chamadas dentro de um único componente “concordassem” em bloquear uma atualização, nosso ChatThread iria falhar em atualizar nas mudanças da prop isTyping.

Pior ainda, com essa semântica qualquer Hook que fosse adicionado a ChatThread iria quebrar se eles não chamassem também a useBailout(). De outra forma, eles não poderiam “votar contra” de deixar de atualizar dentro de useWindowWidth() e useFriendStatus().

Veredito: 🔴 useBailout() quebra a composição. Adicionar ele a um Hook quebra a atualização de estado em outros Hooks. Nós queremos que as APIs sejam antifrágeis, e esse comportamento é praticamente o oposto.

Depuração

Como um Hook como useBailout() afeta a depuração?

Utilizaremos o mesmo exemplo:

function ChatThread({ friendID, isTyping }) {
  const width = useWindowWidth();
  const isOnline = useFriendStatus(friendID);
  return (
    <ChatLayout width={width}>
      <FriendStatus isOnline={isOnline} />
      {isTyping && 'Typing...'}
    </ChatLayout>
  );
}

Digamos que a label Typing... não apareça quando se espera, apesar de que em algum lugar muitos níveis acima a prop está sendo alterada. Como depuramos isso?

Normalmente, em React podemos responder essa questão com segurança olhando para os níveis acima. Se ChatThread não obtém um novo valor isTyping, podemos abrir o componente que renderiza <ChatThread isTyping={myVar} /> e checar myVar, e assim por diante. Em algum desses níveis, ou vamos encontrar uma implementação errada de shouldComponentUpdate(), ou um valor incorreto de isTyping sendo passado para baixo. Apenas uma verificação em cada componente da cadeia de renderização é geralmente suficiente para localizar a origem do problema.

Contudo, se esse Hook useBailout() fosse real, nunca saberiámos a razão pela qual uma atualização foi pulada até que verificássemos cada um dos Hooks customizados (em profundidade) usado pelo nosso componente ChatThread e os componentes em suas cadeias de renderização. Visto que todo componente pai pode também utilizar Hooks customizados, isso iria tomar uma proporção terrível

É como se você estivesse procurando por uma chave de fenda em uma cômoda cheia de gavetas, e cada gaveta teria diversas outras cômodas menores, e você não saberia até quando continuaria assim.

Veredito: 🔴 O Hook useBailout() não apenas quebra a composição, mas também aumenta de forma ampla o número de passos para se depurar e a carga cognitiva para encontrar uma otimização com erros - em alguns casos, exponencialmente.


Nós acabamos de verificar um Hook real, useState(), e uma sugestão frequente que intencionalmente não é um Hook - useBailout(). Nós os comparamos com os filtros de Composição e Depuração e analisamos os motivos pelos quais um deles funciona e o outro não.

Enquanto não há uma “versão Hook” de memo() ou shouldComponentUpdate(), o React fornece um Hook chamado useMemo(). Serve para um propósito similar, mas sua semântica é suficientemente diferente para não cair nas armadilhas descritas anteriormente.

useBailoout() é apenas um exemplo de algo que não funciona bem como um Hook. Mas também há alguns outros - por exemplo, useProvider(), useCatch(), ou useSuspense().

Você consegue ver o por quê?

(Sussurros: Composição… Depuração…)